Monitorização

O que é monitorização neurofisiológica intraoperatória?

A monitorização neurofisiológica intraoperatória (MNIO), também conhecida como monitorização intraoperatória multimodal (MIOM), consiste na utilização de métodos eletrofisiológicos para monitorar a integridade de estruturas neurais específicas.

É baseada em métodos neurofisiológicos que avaliam e monitoram a função das estruturas do sistema nervoso central e periférico sob risco em uma determinada cirurgia.

Na monitorização neurofisiológica intraoperatória sensores são colocados ao longo das estruturas neurológicas e/ou musculares do paciente. O objetivo é medir respostas neurofisiológicas do sistema nervoso para serem registradas e analisadas pelo médico especialista em neurodiagnóstico que fornecerá feedback imediato ao cirurgião.

Inovações cirúrgicas como a MNIO permitem que uma equipe cirúrgica tome prontamente todas as medidas corretivas para minimizar o risco de déficits neurológicos pós-operatórios.

No ambiente de saúde de hoje, é imperativo a necessidade de se investir na busca de melhoria da qualidade e garantia de segurança nas intervenções cirúrgicas. Com isso ter-se-á progressivamente mais vidas salvas e mais incapacidades preveníveis.

A monitorização neurofisiológica intraoperatória visa monitorar tanto as vias ascendentes quanto as descendentes. Técnicas que visam apenas avaliar as vias ascendentes ou as vias descendentes isoladamente não podem fornecer resultados com sensitividade ou especificidade adequados.

A importância da monitorização neurofisiológica intraoperatória.

Com os avanços tecnológicos dos métodos diagnósticos e cirúrgicos, cada vez mais invasivos, houve uma preocupação com a proteção do paciente. Nesse contexto sobressai a importância da monitorização intraoperatória.

As complicações neurológicas das cirurgias são um risco real. A paraplegia ou a tetraplegia iatrogênica é um resultado devastador para o paciente e para o cirurgião, que pode ocorrer apesar de todos os cuidados.

O objetivo, portanto, da monitorização neurofisiológica intraoperatória é auxiliar os cirurgiões a identificarem alterações neurológicas durante a cirurgia e, com isso, permitir sua imediata correção.

Dessa forma a monitorização intraoperatória é uma das mais importantes inovações da medicina nos últimos anos.

Com a MNIO tem-se o atingimento de vários benefícios, dos quais destacam-se:

  • Melhorar o cuidado com o paciente,
  • Evitar deficiências neurológicas,
  • Permitir procedimentos mais extensos e em pacientes de alto risco e
  • Informar ao cirurgião quando o procedimento está ocasionando dano ao paciente.

Técnicas neurofisiológicas utilizadas

Para proteção das estruturas nervosas são utilizadas múltiplas técnicas neurofisiológicas. Sua aplicação dependerá do tipo de cirurgia, da sua abordagem e dos locais a serem operados. Na MNIO são usados, não se esgotando na lista abaixo, os seguintes testes:

  • Eletroencefalografia (EEG),
  • Eletromiografia (EMG) livre ou estimulada,
  • Eletrocorticografia;
  • Potenciais evocados somato sensitivos (PESS),
  • Potencial evocado motor (PEM);
  • Potenciais auditivos de tronco cerebral (PEATC) ;
  • Condução Nervosa (CN);
  • Oximetria (NIRS);
  • Doppler transcraniano (DTC);
  • Etc…”

 

Show Buttons
Hide Buttons